Sunday, June 24, 2007

AMIGA INANIMADA

O outono silencioso grita:
Quero uma amizade amiga!
A brisa triste abraça a tarde.
Enquanto, a carência minha vida invade.

Cadê o riso inanimado desta hora?
Minhas chagas não cicatrizam,
A tamanha dor não espera, chora.
Lágrimas salobras se destilam.

Aqueço este estado de espírito,
Provocado pelo giro geóide,
Procure por mim também, amigo!
Não apenas na minha morte

Cultivo sementes de amieiro,
Desenraízo sentimentos à revelia,
Construí teu baluarte inteiro,
Para não te deixar na imensidão vazia